Mais sobre o cajado e o silencio

Semana passada o blog A Biblia o Jornal e a Caneta publicou uma pequena resposta ao meu texto O Cajado, o cabresto e o silencio. No entanto, ao inves de responder as proposicoes diretas que levantei, o texto, intitulado Ainda sobre o voto de silencio, parece confundir ainda mais o debate.

Abaixo segue minha treplica ao Allen Porto, que enviei como comentario ao blog dele, e o debate pode ser acompanhado tambem por la:

Caro Allen,

De antemao, peco desculpas por escrever sem acentos, e abrindo mao de adequacoes gramaticais – uso teclado em outro idioma no momento – e de estilo.

Nunca disse que voce e’ uma pessoa de ma fe’: disse que agiu de ma’ fe’ no exercio da palavra – ou da caneta -, ao noticiar a campanha do FALE da maneira que o fez. Cabe ao jornalista averiguar os fatos, buscar as fontes. Nao penso que alguem com um blog de alto nivel como o seu possa querer “obscuridade”. Ao contrario disso, a ma’ fe’ foi deixar o outro – no caso a Rede FALE, seus membros (fontes) e dados – na obscuridade, retratados de maneira caricata, sem o devido tratamento ou atencao, em mais de uma ocasiao.

Se sua intencao nao foi aquela, seu texto anterior realmente alimentou a confusao – como voce mesmo admitiu antes. Naturalmente, era de se pensar que o alvo principal de seu texto fosse a campanha da Rede FALE, uma vez que voce cita a campanha “contra o voto de cajado” logo no inicio do texto. Alem disso, a repercussao desta campanha, que discute exatamente o tema da participacao das igrejas brasileiras na politica foi tao grande, que seria ate’ justa a associacao, ja’ que obteve notoriedade de veiculos de comunicacao de massa – como os jornais Estadao (Sao Paulo), o Estado de Minas (Belo Horizonte), e figurou ate’ em sites de tele-evangelistas suspeitos. Porem, o autor e’ livre para atribuir o protagonismo do seu texto a quem quiser.

Eu poderia tambem ficar aqui enumerando a quantidade de argumentos nao respondidos ou mal compreendidos em sua resposta – por exemplo, sobre como o evolvimento dos evangelicos com a ultima Ditadura Militar brasileira tem relacao com certo “silencio” diante da politica, enquanto parte dos cristaos ainda a tem como um “mal necessario”, um “pecadinho menor” em nossa historia politica. Poderia tambem comentar sobre seu estilo, ou sobre como nao respondeste aos tres pontos do meu texto – inclusive o da logica, falha maior de alguns dos seus argumentos que, de tao pragmaticos se tornam pouco biblicos. Entretanto, farei diferente: vou insistir num dialogo sincero. Considero que suas opcoes esteticas e politicas podem se colocar como limitacoes ‘a sua propria cosmovisao crista, e percepcao historica, mas nem assim te deixarei sem resposta, sem dialogo, sem disputa.

Nesse sentido, sua ultima indagacao me parece ser o que ha’ de mais interessante na sua resposta: um pastor pode promover um candidato especifico dentro de sua igreja? Segundo propoes, sim, desde que tenha conviccao (biblica?) de que seu candidato deve ser indicado a igreja. Ou seja, o pastor pode usar do pulpito, e de sua autoridade eclesial, para promover o trono secular. Provavelmente, limitas o conceito de sacerdocio universal dos crentes e de sua participacao politica a hierarquia paroquial – o que por sua vez, pode pressupor que aceitas apenas a ideia de uma democracia representativa como “politica”.

A campanha do FALE nao propoe silencio nem “abstracao”. Propoe, sim, que os cristaos participem do processo politico, que debatam, dialoguem e votem; mas, que as igrejas nao tenham candidatos “oficiais”, determinados por acordos secretos entre liderancas espirituais e temporais, que sejam apresentados no pulpito como tais. No mais, se toda teoria e’ a teoria de alguma pratica, entao e’ mais que necessario rever as praticas politicas sujas neste pais – onde membros da bancada evangelica no Congresso Nacional ja’ foram ate’ indiciados por roubo de ambulancias. Assim, certamente sera’ preciso refletir sobre teoria politica e participacao democratica, antes de entrar na queda-de-braco do jogo eleitoral.
 
Infelizmente, me parece que vais na direcao contraria. No final das contas, voce esta tomando partido no grupo do ‘cajado’: o grupo daqueles que jogam o jogo da politica brasileira atual, sem propor solucoes ou alternativas, mas apenas resultados. Ou estou enganado? Lamento sinceramente nao ter tido a oportunidade de assistir a mesa redonda do dia 29/09 ai’ em Sao Luis. Talvez ali, ao lado do Dr. Lyndon, poderiam ser esclarecidos este monte de pressupostos, impressoes e possiveis mal-entendidos em nossa comunicacao ate’ o presente momento.

Leia mais:

+ O moderno voto de cajado e’ o cabresto de sempre

Alianca Evangelica se manifesta contra o voto de cajado

+ Sugestoes para o voto consciente

Anúncios
Esse post foi publicado em Política e marcado , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s